Páginas

terça-feira, 26 de maio de 2009

A arte de viver a vida dos outros...

Às vezes eu fico pensando...Quando alguém vem a mim com algum problema, é tão fácil pra eu dar sugestões, conselhos e dicas sobre a melhor maneira de resolve-lo ou ameniza-lo...Porque então é difícil para eu resolver e lidar com os meus próprios problemas? Porque, quando eu digo coisas para as outras pessoas parece tão fácil e na hora de aplica-las a mim mesma é tão complicado!!!
Algumas pessoas me acham fria quando eu digo os nossos problemas são sempre maiores que o dos outros, porque não vivemos os dos outros, só os nossos... Se uma pessoa pobre não tem os dois braços, perdeu as pernas e tem só uma banda do nariz, vou me sensibilizar com a sua situação e sua estória de vida e vou procurar ajuda-la, se puder. Não posso imaginar como deve ser a vida de uma pessoa assim... Mas o meu problema financeiro, familiar ou de saúde, sob o meu ponto de vista, será sempre maior, porque ele é meu e sou eu que vivo, sinto e sou eu que vou precisar resolve-lo.
Às vezes quando tem alguém que se mete demais na minha vida, imagino logo a droga de vida que deve ser a dela, para se preocupar tanto com a minha...Mas hoje, estou convencida de que não é isso...é porque é muito mais fácil viver a vida dos outros, resolver o problema dos outros até mesmo para nos distrair dos nossos.
Resolver um problema sem que seja preciso vivencia-lo ou senti-lo ou sem medir o grau de envolvimento, aborrecimento, estresse ou qualquer outra coisa que seja necessária para resolve-lo, é cômodo, fácil, indolor e sem nenhum estresse.
Meu filho não gosta de estudar, por exemplo, daí eu escuto um monte de soluções tipo: tira tudo dele, bota ele de castigo, corta a mesada, etc. As pessoas não precisarão lidar com as discussões, malcriações, mau humor, gritos e as cenas desagradáveis que resultarão dessas sugestões dadas.
Por isso, apesar de ser tachada de "teimosa igual a uma mula" prefiro resolver os problemas que surgem, a minha própria maneira...Tenho uma tremenda paciência para escutar o que dizem (sou uma ótima ouvinte) e às vezes até gosto de alguma sugestão, mas sempre quem resolve e vai decidir o que fazer serei eu, do melhor jeito para mim. Dizem que eu sou uma mãe que não dá limites, que o filho não tem hora pra nada, etc... Eu até concordo e acho que isso é uma maneira de querer que a criação dele seja totalmente diferente da que eu tive. Outra coisa que eu não faço é força-lo a comer o que ele não gosta ou não tem vontade...Sei lá, não sei se é o certo, mas é como eu acredito que deva ser feito e assim vou levando. Como eu disse antes, eu sei que algumas pessoas são bem intencionadas e acreditam que estão visando o nosso bem... Mas, infelizmente, essas mesmas pessoas não aceitam muito bem quando você discorda delas ou se a sugestão que ela deu vá totalmente contra ao que você acredita...Por isso, procuro escutar tudo o que as pessoas me dizem sempre com um sorriso no rosto e muito grata pela ajuda que elas querem dar, mesmo quando as mesmas não são bem vindas e me irrito muito quando na verdade querem impor sua vontade, acham que estão certas e eu errada. Odeio ser julgada por alguém que comete os mesmos erros ou até mais que eu. A gente erra porque tenta acertar...Ninguém faz algo errado de propósito, ao menos, não uma pessoa normal.
Críticas e conselhos construtivos são sempre bem vindos... Críticas maldosas, pré-julgamentos e fofocas...Não!!!
Acho muito correta aquela frase que diz: “Que difícil é ser eu...”.
Porque é mesmo, muito difícil!!!

3 comentários:

Sheila Jô disse...

O mundo blogueiro não seria completo sem vc, sabia? vc nasceu para isso, menina!
amei o seu post!
concordo em gênero, número e grau...
vc sabe de tudo o que venho passando e não aguento mais o tiroteio de todos os lados de todo mundo dando palpite, com certeza com a melhor das intenções, mas na hora de pagar as contas sou eu que tenho que me virar, não é mesmo? na hora de cuidar da dor de barriga dos meus filhinhos e aturar as malcriações tb sou eu, então eu estou aprendendo muito com a nossa convivência e resolvendo as coisas do jeito que eu acho melhor.
obrigada por ser minha amiga e conaelheira, mas me desculpe se te desaponto não seguindo todos os seus conselhos, é o trouxa do meu coração que é o culpado, tá?
um beijão e continue assim, estou amando seu blog!

Bárbara disse...

Entrar aqui e encontrar tudo isso escrito me dá um baita orgulho de trabalhar com vc. Tambem sei como vc queria que a minha vida fosse diferente, mas tambem sei que me entende e respeita as minhas decisões, apesar de tudo. Esse texto é vc.
Estou aqui todos os dia, mas nem sempre posso postar um comentario.
Saiba que amo você de jeitinho que é, e que muito que sou hoje agradeço a vc, que tem muita importancia na minha vida.
O meu mundo hoje é redondinho e sei o quanto é importante ter pessoas que acredite na gente, que sabe quem realmente somos, e vc faz parte desse meu mundinho.

.... Bjosss

Catequista Sheila disse...

Só para dizer que passei por aqui... que peninha que parou de escrever, eu estava curtindo tanto...
bjks e até amanhã se Deus quiser.

Postar um comentário